Bananada 2019 surpreende público

Um dos eventos de música mais aguardados de Goiânia apresenta atrações nacionais da música pop, rap, eletrônica e alternativa. 

O Rolêzinho, claro, compareceu nos três últimos dias para fazer a cobertura dos shows.

Primeiras impressões

Por ter sido a primeira edição que fui, me surpreendi com a estrutura dos palcos, organização e atrações. Na portaria do evento tinham placas indicativas para guiar o público à entrada adequada, visto que haviam vários tipos de ingressos. Para quem não conseguiu comprar antes, tinham bilheterias vendendo na hora e fazendo a recarga para a compra de comida e bebidas no local.

Do lado de dentro, a organização estava impecável. À direita da entrada tinha uma sala com um estúdio de tatuagem e a entrada para os palcos principais. À esquerda os estandes dos patrocinadores, sala da imprensa, bares, banheiros, palco tropical e lanchonete. 

Foto por Raposa/ Equipe Site Conceito

O estande da Natura roubou a cena na edição desse ano. Eles disponibilizaram batons e rímeis para que o público se maquiasse, além de um ringlight para as pessoas tirarem fotos. Além da maquiagem no espaço, havia ambulantes com espelhos e maquiagens transitando pelo evento. 

Para a compra de bebidas e comidas no evento, era necessário realizar uma recarga previamente. A adição de créditos podiam ser feitas nas bilheterias e totens (ambulantes que andavam pelo evento com máquina de cartão de crédito) por meio do QR Code da pulseira que cada um recebeu. 

Foto por Raposa/ Equipe Site Conceito

Na festa tinham dois pontos de distribuição de bebidas, um exclusivo de cerveja e outro de drinks. Os valores das bebidas variavam, enquanto a cerveja custava R$10,00. Haviam também totens de cerveja pelo evento, ponto positivo, pois assim o público não precisava enfrentar as filas para comprar chope. No evento também tinha um posto exclusivo para a entrega de água gratuita. 

Nunca fui em um evento daquele tamanho que o banheiro estivesse organizado e limpo como estava

Ao lado do palco tropical havia as lanchonetes com pizzas, saladas, hambúrguer e lasanhas. O preço me decepcionou bastante. Uma cuia com salada custava (acredite ou não) R$ 25,00

O banheiro do Bananada é um ponto que precisa de um parágrafo exclusivo. Haviam divisores de metal fazendo uma longa fila para organizar as pessoas que entravam. Nunca fui em um evento daquele tamanho que o banheiro estivesse organizado e limpo como estava. Não tinha qualquer cheiro forte ou sujeira. As cabines estavam limpas como se tivessem acabado de montadas.

Ao lado do bar estava localizado a Arena Chilli Beans, que ao longo dos três dias de shows, promoveu eventos culturais, como competições de skate, vogue e queimada. Por mais que o espaço tivesse patrocínio da Ambiente, shakeshop de Goiânia, lá não era exclusivo da marca. Horários foram desrespeitados e as atrações foram prejudicadas. Infelizmente faltou bom senso.

Foto por Raposa/ Equipe Site Conceito

O Bananada contou com quatro palcos, sendo dois principais e dois tropicais. Cada um deles foram usados de forma revezada. Enquanto um tinha apresentações das bandas e cantores, no outro técnicos faziam passagens de som. Nos palcos principais, os artistas de maiores nomes se apresentavam. No palco tropical artistas com batidas mais dançantes se apresentavam. Por mais que sejam palcos com temáticas diferentes, a qualidade era a mesma. Inclusive aconteceu uma batalha de passinho no palco tropical que pode ser no feed do perfil do Site Conceito no Instagram

Ao lado de um dos palcos principais havia uma tenda da Redbull, na qual latinhas de energético poderiam ser trocadas por um copo exclusivo do Bananada, adesivos e até mais energéticos.

Por mais que a organização do show estivesse impecável, senti falta de uma organização melhor para a imprensa. Jornalistas, fotógrafos, diretores, cinegrafistas e todos que estavam ali para trabalhar não tinham um banheiro exclusivo e, infelizmente, tiveram que pegar fila. Também não tínhamos como comprar comida, pois as pulseiras de imprensa não tinham QR code, e eu mesmo, tive que trazer uma marmita para comer durante o evento.

Não tínhamos como comprar comida. Tive que trazer uma marmita para comer durante o evento.

Faltou também um espaço com o banner do bananada para a gravação de vídeos e stories. Quem trabalha com imagem e vídeo precisa de um espaço para poder gravar e mostrar ao público que está no evento. Além disso, para entrar nos espaços reservados a imprensa, foi necessário ter um crachá de Mídia Pass. Muitos profissionais ficaram sem acesso a esses lugares, pois a organização disponibilizou poucas unidades, que acabaram em pouco tempo.

Primeiro dia 

As principais atrações da sexta-feira (16/8) foram Bacu Exu do Blues, Liniker e os Caramelows, Matheus Carrilho e Jalloo & Mc Tha. Por ser um evento grande, é normal que imprevistos aconteçam e, consequentemente, atrasos ocorrem. Infelizmente os atrasos atrapalham alguns shows, e os artistas, como Jalloo, tiveram que cancelar algumas músicas, pois o tempo de apresentação havia acabado.

Na arena Chilli Beans acontecia um campeonato de skate promovido pela Ambiente Skate Shop, e logo após foi realizada a Witch Ball. Houve atrasos também na arena para o início do ball, visto que já havia dado o horário e os skatistas da Ambiente não desocuparam o lugar para a organização da próxima atração. 

Segundo dia 

No segundo dia (17/8) de evento as atrações principais foram Criolo, Drik Barbosa, Tulipa Ruiz & João Donato e Teto Preto. Nesse dia houve poucos atrasos e os shows, pelo menos os que eu pude acompanhar, aconteceram no horário previsto.

No penúltimo dia do Bananada, eu fui mais aos shows e tive o prazer de conhecer novas bandas. Além de trazer artistas da cena alternativa, o evento também tem o objetivo de apresentar novas bandas. Eu já conhecia o Criolo e acompanho o trabalho dele há um tempo, mas acompanhar a apresentação do Teto Preto foi algo único. Fui apresentado a um novo estilo de música que não conhecia, e só tenho a agradecer a produção do Bananada por me apresentar essa banda incrível. Além disso a CARNEOSSO, vocalista da banda, chamou os dançarinos de vogue que participaram da Witch Ball no dia anterior para subir ao palco.

Na Arena Chilli Beans ocorria o primeiro campeonato de Gaymada. Incentivar o esporte é um ponto positivo, mas o lugar em si não comportava um evento esportivo daquele nível. A Arena tinha pilastras e por isso o campo da queimada ficou apertado para os jogadores.

Terceiro dia 

Já no domingo (18/8), as atrações principais foram Pitty, Metá Metá, Boogarins e Duda Beat. Durante a apresentação, Duda Beat chamou os cantores Jalloo e Matheus Carrilho para cantar o single Chega, canção que ambos cantaram em seus shows. 

Os seguranças começaram uma espécie de arrastão para expulsar todos que estavam ali trabalhando

Durante o show de encerramento do Bananada 2019, com a cantora Pitty, houve um episódio desagradável com fotógrafos e jornalistas que estavam no fosso fotográfico cobrindo o show. Foi avisado que eles teriam um tempo específico para permanecer no local, e logo após, deveriam sair dali. A equipe do Rolêzinho recebeu quatro minutos para ficar no lugar e depois se retirar.

Quando o tempo acabou, os seguranças começaram uma espécie de arrastão para expulsar todos que estavam ali trabalhando. Isso foi uma falta de respeito com todos que já estavam esgotados, mas estavam ali cumprindo com o seu dever de cobrir o evento. Não sabemos o por quê aconteceu, mas infelizmente fomos retirados a força do local.